Postagens populares

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Como podemos cultivar o discernimento?

Nós não podemos simplesmente seguir a corrente da nossa era. Não podemos elevar o amor enquanto minimizamos a verdade. Não podemos promover a unidade reprimindo a sã doutrina.  Nós não podemos aprender a sermos mais exigentes criando um ídolo que está além da tolerância. Ao adotar essas atitudes, a igreja tem aberto os portões para os cavalos de Tróia de Satanás.

Deus nos dá a verdade de Sua Palavra, e ele nos ordena a guarda-la e passa-la para a próxima geração. Francamente, a geração atual está falhando miseravelmente nessa tarefa. Nossa falha com relação ao discernimento tem praticamente apagado a linha que existe entre Cristianismo bíblico e a fé imprudente. A igreja está repleta de um caos doutrinário, confusão, e anarquia espiritual. Poucos parecem perceber porque os cristãos foram condicionados por anos a serem ensinados de maneira superficial a terem uma mente ampla, superficial e não crítica. A menos que exista uma mudança radical na forma como vemos a verdade, a igreja vai continuar a declinar em poder de influencia, se tornará mais mundana e irá à direção de vários tipos de erros.

Como podemos cultivar o discernimento?

O que precisa acontecer para uma igreja que quer reverter suas tendências e recuperar a perspectiva bíblica?

Deseje Sabedoria

O primeiro passo é desejar. Provérbios 2:3-6 diz, ”se clamares por discernimento, e por entendimento alçares a tua voz; se o buscares como a prata e o procurares como a tesouros escondidos;  então entenderás o temor do Senhor, e acharás o conhecimento de Deus. Porque o Senhor dá a sabedoria; da sua boca procedem o conhecimento e o entendimento”
Se nós não temos nenhum desejo de termos discernimento, nós não o teremos. Se somos levados por um anseio de sermos felizes, bem sucedidos, abundantes, prósperos, confortáveis e auto-satisfeitos , nós nunca seremos pessoas com discernimento. Se nossos sentimentos determinam o que nós cremos, nós não podemos ter discernimento. Se nós subjulgamos nossas mentes a algumas autoridades eclesiásticas terrenas e acreditamos cegamente no que ouvimos delas, nós minamos o discernimento. A menos que nós examinemos todas as coisas cuidadosamente, nós não podemos esperar ter alguma defesa contra uma fé imprudente.

O Desejo por discernimento é nascido da humildade. É a humildade que reconhece o nosso próprio potencial para o autoengano. (“Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o poderá conhecer? ” Jeremias  17:10) É a humildade que desconfia de seus sentimentos pessoais e lança desprezo na autossuficiência ( “ mas de mim mesmo não me gloriarei, senão nas minhas fraquezas.” 2 Coríntios 12:5) É a humildade que se volta para a Palavra de Deus como árbitro final de todas as coisas (“ examinando diariamente as Escrituras para ver se estas coisas eram assim” Atos 17:11).

Ninguém tem o monopólio da verdade. Eu certamente não tenho. Eu não tenho respostas confiáveis por mim mesmo. Meu coração é tão susceptível ao autoengano como o de qualquer um. Meus sentimentos são tão não confiáveis quanto os de qualquer um. Eu não estou imune ao engano de Satanás. Essa é uma verdade para todos nós. Nossa única defesa contra a falsa doutrina é o discernimento, a desconfiança de nossas próprias emoções, o considerar nosso próprio senso como suspeito, examinar todas as coisas, testar toda verdade proclamada com o critério da Escritura, e lidar com a Palavra de Deus com muito cuidado.

O desejo pelo discernimento portanto, implica uma visão elevada da Escritura conectada a um entusiasmo pelo entendimento dela corretamente. Deus requer essa atitude (2 Timóteo 2:15)  – e então o coração que O amar verdadeiramente será naturalmente incendiado por uma paixão pelo discernimento.

Ore por Discernimento

O passo dois é oração. A oração é claro, segue naturalmente o desejo; a oração é a expressão de um coração que deseja a Deus.
Quando Salomão se tornou rei, após a morte de Davi, o Senhor apareceu a ele em sonho e disse:  “Pede-me o que queres que eu te dê.” (I Reis 3:5). Salomão poderia ter pedido qualquer coisa. Ele poderia ter pedido riquezas materiais, poder, vitória sobre os inimigos, ou qualquer coisa que quisesse. Mas Salomão pediu por discernimento: “Da, pois ao teu servo coração compreensivo para julgar o teu povo, para que prudentemente discirna entre o bem o mal; pois quem poderia julgar a este grande povo?” (1 Reis 3:9).  A Escritura diz, “Essas palavras agradaram ao Senhor, por haver Salomão pedido tal coisa” (1 Reis 3:10).
Além disso, disse o Senhor a Salomão:

Pelo que Deus lhe disse: Porquanto pediste isso, e não pediste para ti muitos dias, nem riquezas, nem a vida de teus inimigos, mas pediste entendimento para discernires o que é justo, 12 eis que faço segundo as tuas palavras. Eis que te dou um coração tão sábio e entendido, que antes de ti teu igual não houve, e depois de ti teu igual não se levantará. 13 Também te dou o que não pediste, assim riquezas como glória; de modo que não haverá teu igual entre os reis, por todos os teus dias. 14 E ainda, se andares nos meus caminhos, guardando os meus estatutos e os meus mandamentos, como andou Davi,

Perceba que Deus  elogiou a Salomão porque seu pedido foi completamente não-egoísta: “Porquanto pediste isso, e não pediste para ti muitos dias, nem riquezas, nem a vida de teus inimigos, mas pediste entendimento para discernires o que é justo”  O egoísmo é incompatível com o discernimento. Pessoas que desejam o discernimento precisam estar dispostos a dar um passo para fora de si mesmo.

O evangelicalismo moderno, enamorado pela psicologia e autoestima, tem produzido uma geração de cristãos que estão tão absorvidos em si mesmos que não podem discernir. As pessoas nem estão interessadas em discernimento. Todo o interesse deles em coisas espirituais estão focadas em si mesmo.  Eles estão interessados somente em obter suas próprias necessidades atendidas.
Salomão não fez isso. Apesar de ele ter tido uma oportunidade para pedir por uma vida longa, prosperidade, e saúde e riquezas, ele abriu mão de todas essas coisas pediu ao invés disso por discernimento.  Por esse motivo Deus deu a ele também riquezas, honra, e vida longa enquanto ele andasse nos caminhos do Senhor.
Tiago 1:5 promete que Deus irá conceder a oração por discernimento de maneira generosa: “Se, porém, algum de vós necessita de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos da liberadamente e nada lhes impropera; e ser-lhe-á concedida”

Desejo e oração são os dois primeiros ingredientes chave na receita para um discernimento bíblico.

Texto retirado do site: Mulheres Piedosas, escrito por John MacArthur.

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Tua Graça me salvou


Faz-me mais grata a Ti, Deus meu!
Pois escolheu-me.
E abençoou a minha concepção.

Antes mesmo de me formares no ventre materno
Tudo já sabias sobre mim,
O meu nome 
e todos os anos de vida, 
que me foi dado por Ti.

Um ser pecador,
odiadora do meu próprio criador.
Concebida por meus pais e nascida em pecado.
Contudo, de mim não se esquecestes.

E  por  misericórdia sua guarda não foi tirada,
O seu cuidado repousava sobre mim
mesmo desgarrada por tanto tempo
Lá comigo, estavas.

Fez eternizar em minha alma 
o dia em que naquela congregação fui atraída por Ti, 
Com irresistível amor, luz e graça 
pelo poder da palavra.
Eu já era uma moça, 20 anos eu tinha, 
mas do pecado, era uma escrava cansada.

 Nunca poderei esquecer do Seu abraço
No instante em que me fez ver o que sou
Mas o tamanho da minha maldade 
não era maior que amor que o Seu colo me ofertou
Como chorei, Deus! Sabes o quanto chorei.  

Foi o dia mais terrível por conhecer a mim mesma,
Nunca poderei esquecer
Conheci o meu abismo,
os meus olhos abristes
E me mostrou o quão depravada que sou.
Porém, a felicidade inundou aquele dia, pois recebi um Salvador.

E pela fé, Ele tornou-me então sua filha.
Quero ser grata a este Deus 
que viu minhas trevas, 
e de me amar não hesitou.
Ele encheu-me de luz
 imerecedora deste amor, sei que sou.
  
Outrora todo o meu corpo era mal,
e agora, abristes os meus olhos e o meu corpo tornou-se luz..
Mais grata a Ti, Amado meu! Faz-me mais grata a Ti.
Pois pela sua redenção e por causa do seu perdão, 
nenhuma condenação há mais sobre mim.

 - Patrícia Gomes

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Vamos conversar sobre traumas?

“Certo sábado, Jesus estava ensinando numa sinagoga. E chegou ali uma mulher que fazia dezoito anos que estava doente, por causa de um espírito mau. Ela andava encurvada e não conseguia se endireitar. Quando Jesus a viu, ele a chamou e disse: 
- Mulher, você está curada. 
Ai pôs as mãos sobre ela, e ela logo se endireitou e começou a louvar a Deus.”
- Lucas 13:10-13

Segundo a psicologia, ‘o trauma psicológico é um tipo de dano emocional que ocorre como resultado de um algum acontecimento. Pressupõe uma experiência de dor e sofrimento emocional ou físico’. Durante a nossa jornada acontecem fatos que deixam sequelas em nossas vidas e muitas vezes nos impedem de continuar a caminhar, nos impedem de continuar a acreditar, nos impedem de continuar a sorrir. O medo e a insegurança tomam nossas mentes de tal forma que não conseguimos obter o autocontrole e perdemos a capacidade de lidar com aquilo.

Em algumas pessoas os traumas são tão grandes que elas perdem o convívio social, desistem de seus projetos, desacreditam de seus sonhos e sobrevivem a cada hora esperando apenas por noticias ruins, não conseguem mais acreditar em si mesmas e não depositam mais confiança em ninguém; preferem trancar-se em um quarto escuro, ligar o computador e entreter sua mente com coisas tão rasas e sem vida.

Em outras pessoas os traumas são grandes, mas estão encobertos por uma capa, que permite que elas mantenham o convívio social e até demonstrem que estão muito bem e que não precisam de ajuda, mas interiormente falando, estão com seus corações dilacerados apenas esperando uma oportunidade pra que tudo isso chegue ao fim. Elas disfarçam, negam e até tem uma tentativa de felicidade, mas suas almas estão vazias tentando agarrar-se a um fio de alegria morta.

E em meio a tudo isso, Jesus nos fala de uma mulher que chega enquanto ele ensina na sinagoga. Essa mulher não é apresentada a Jesus, ela não se atira aos seus pés pedindo ajuda, ela não faz escândalo e nem uma confusão, ela simplesmente vai ao lugar onde o mestre está a ensinar. Ela carrega uma dor, ela simboliza um espanto, ela é vitima de ‘zueira’, ela é uma vergonha diante da sociedade, afinal, ela andava encurvada, mas não porque ela escolheu isso, mas porque um espírito mau a adoeceu e até ao momento de chegar naquele lugar, ela nem sabia ao certo de onde viera aquele sofrimento, quem sabe ela não tinha mais nem esperança, nem forças, já tinha enterrado os seus sonhos. O problema que ela tinha, era notável, era aparente, não tinha como esconder, se fosse hoje ela poderia ser intitulada como “O Corcunda de Notre Dame”, você já tem noção de sua tamanha vergonha? Agora imagine essa mulher sofrendo há dezoito anos e mesmo assim ela não se fechou em um quarto escuro, ela enfrentou seus traumas e foi ouvir o mestre a ensinar, mesmo que ela saísse encurvada do mesmo jeito que entrou, ela decidiu ir ouvir os ensinamentos de Jesus. Que coragem!

Ela não foi em busca de um milagre, até por que a lei proibia fazer qualquer coisa no sábado, ela foi simplesmente ouvir Jesus falar!

Ela não se importou com as zueiras, ela não se importou com as rejeições, ela não se importou em ser chamada a atenção, ela foi ouvir Jesus falar!

Você tem ido ouvir Jesus falar?
O que tem sido mais importante pra você, os que os outros pensam e falam de você ou aquilo que o mestre tem a lhe dizer? 

Essa mulher foi ouvir Jesus falar e no momento em que Ele a viu, Ele falou: “- Mulher, você está curada.”.

Você tem chamado a atenção do mestre para você? 

O texto nos mostra que no instante que Jesus a viu, Ele fez o milagre na vida daquela mulher.
E Ele não falou apenas, Ele a tocou!

Você tem sentido o toque de Jesus em sua vida? 

No mesmo instante em que Ele a tocou, ela foi endireitada. Sabe por quê?

Por que no instante que Jesus nos toca, não há traumas, não há medo, não há insegurança que permaneça diante do toque de suas mãos! A sua presença gloriosa leva tudo embora e nos liberta verdadeiramente para viver uma vida sem vergonha, sem dor e sem desespero!

E o que essa mulher faz? Ela louva ao Senhor.

Se não estamos vivendo uma vida verdadeira de adoração ao Senhor é porque ainda não fomos libertos por Ele, ainda não fomos constrangidos pelo seu grande amor. Necessitamos ouvir o mestre, senti o seu toque e viver uma transformação de vida.

Deus sabe de todas as nossas necessidades, Ele conhece o nosso coração, mais Ele nos ensina que não devemos pegar os nossos traumas e desistir de viver, não! Devemos ter coragem e chegar perto do seu trono, onde encontraremos misericórdia e Graça.

"Venham a mim, todos vocês que estão cansados de carregar as suas pesadas cargas, e eu lhes darei descanso. Sejam meus seguidores e aprendam comigo porque sou bondoso e tenho um coração humilde; e vocês encontrarão descanso. Os deveres que eu exijo de vocês são fáceis, e a carga que eu ponho sobre vocês é leve."
- Mateus 11:28-30

Com amor e fé,
Shirley Costa

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Onde está a minha fé?

“Ora, a fé é a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que não se veêm. Pois, pela fé, os antigos obtiveram bom testemunho.
Pela fé, entendemos que foi o universo formado pela palavra de Deus, de maneira que o visível veio a existir das coisas que não aparecem.”
- Hebreus 11:1-3

Na Bíblia temos diversos exemplos de homens de fé, inclusive Hebreus 11 tem um breve resumo a respeito de suas vidas de obediência a fé em Deus, indico que leiam, mas diante de tudo, como está a sua fé? 

A minha fé nos último meses estava apagada, não que eu estivesse distante de Cristo, nada disso, porém para mim não viria nada além daquilo, mesmo tendo convicção de que o Pai que rege a minha vida é grandioso. Então, Ele resolveu modificar a minha vida, e me tirar do comodismo. Quando em uma conversa alguém disse que eu tinha que ter fé, pensei, fé? Como assim? Meu Pai no mesmo instante disse: chegou a hora de aprender Lavínia. Tive medo, mas confiei.

Começaram a acontecer situações na minha vida onde cheguei a não querer mais reagir, comecei somente a aceitar e me calar. Orei, e sempre era questionada, onde anda sua fé? Resolvi procurá-la numa manhã quando Deus me levou a Hebreu 11, e a um sermão do Pr. Paulo Junior chamado "Por que não tenho fé"(vou deixá-lo abaixo), então comecei a compreender que eu estava colocando confiança nos recursos errados, que toda minha confiança neles deveria ser deixada de lado, nada de recursos próprios, e sim a capacidade que vem da fé, não a minha.

A fé significa depender do que não podemos ver, porém a mesma se evidencia na obediência ao Senhor. Comecei a seguir o caminho que me estava sendo ensinado, minha fé foi encontrada, não a achava pois estava querendo resolver tudo a próprio punho, mas Deus me abriu os olhos, não é assim.

Existem duas direções para a fé: 
1- Em relação a realidades futuras, significa o que se espera acontecer, de acordo a vontade de Deus;
2- Em relação a realidades invisíveis, os fatos que não vemos, todo anseio e preocupação nos leva a não acreditar, mas a partir do momento que Deus está no controle de tudo e vivemos de acordo a essa convicção, isso é fé.

"Deus determinará a natureza de nossa fé."

Te convido neste momento a acreditar, a confiar, não é fácil largar anseios, medos, incredulidade, mas Deus é quem determina, deixa tudo com Ele, exercita sua fé na obediência, creia somente, entregando tudo nas mãos do Senhor, e o mais Ele fará. 


Graça e Paz
Lavínia

terça-feira, 19 de setembro de 2017

O amor é...

É fogo ardente que aquece a alma
nas noites frias de inverno.
É abrigo para o coração.
Lugar de aconchego, abraço e poesia,
Onde posso sorrir na leveza da calmaria.

O amor é o entardecer que traz em cor laranja o pôr do sol
O amor é quando estou me afogando em dor,
e ele faz meus olhos avistar cada farol.

É sorrir na leveza desse mar que é amar
e na tristeza o amor me traz certeza de que devo continuar.
O amor faz o abraço ser morada,
O no aconchego do abraço eu desejo demorar-me.

É abrigo em tempestade
É paz no meio de uma guerra
O amor não se alegra com o mal, ele é todo bem.
Amor, é a empatia que sentimos por alguém.
É compartilhar alegria e dores também.
É voz que corrige, mas que conforta além.

Amor é o entrelaçar de mãos,
unidas,
nessa estrada que é a vida.

Ah meu caro! 
Se fossemos resumir o amor em versos de poesia
folhas de papel é certo que faltaria.

Sabe? O amor é canção, 
nos dias duros ele é melodia que abraça,
consola o coração.

Ouvir falar que 
“O amor não é uma luta, mas devemos lutar por ele”. 
Lutar para fazer alguém feliz, 
e dar-se por inteiro, 
sem medo, 
porque o amor é mais dar, 
que receber, 
o amor é companheiro.

O amor está sempre ao meu lado, 
o amor não é apenas algo, 
mas ele é alguém.

Esses são pequenos amores 
que vem do Grande amor, 
aquele que nos faz dar frutos de bondade, 
frutos eternos de humildade,

aquele que nos inspirou, 
aquele que vem demonstrando 
desde a fundação do mundo 
o seu amor, ele, o nosso Deus e Senhor.

O amor é... Deus!

- Patricia Gomes / Shirley Costa

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Eu me importo e você?

“Missões não se trata de enviar missionários. Fazer missões é enviar a verdade do evangelho de Deus a este mundo através de homens e mulheres. A questão é: Tem você se dedicado a conhecer a Deus e conhecer sua Palavra de maneira que possa abrir sua boca e instruir as pessoas acerca de Deus?”
– Paul Washer


"Eu me importo e você?" foi o tema Central do culto de Missões na minha congregação este ultimo final de semana (08, 09 e 10 de setembro). Em tempos de pregações voltadas para prosperidade, torna-se complicado falar sobre missões e igreja perseguida, pois o homem tem fechado seus olhos para as almas oprimidas e tem se acostumado a somente carregar sua Bíblia, ir para o culto e dar "Glórias á Deus", para muitos isso é suficiente, mas não é. Deus não te salvou para que você se tornasse um acomodado e frio, não! Ele te salvou para você ser sal e luz neste mundo e para isso acontecer, o evangelho deve ser propagado através da sua vida.


O vídeo acima retrata a realidade do cristianismo em outros países, onde os irmãos são ameaçados, açoitados, perseguidos e até mortos por amor a Jesus. Eles não tem liberdade para viver a sua fé. São feridos e angustiados dia após dia, mesmo assim não desistem de Jesus! Orem por esses irmãos e comece a fazer a diferença hoje no lugar onde você está. 
Você não precisa sair do seu país para enviar a verdade do evangelho, comece dentro de sua casa! 

Paul Washer disse: 

"Seu principal Ministério começa em casa."

Dentro da sua casa, dentro da sua família, existem pessoas carentes de Deus e você precisa levar o amor de Deus para estas vidas que estão morrendo, são escravas do pecado, escravas do medo. Dedique-se a Deus e busque conhece-lo de forma que possa ser usado para instruir essas pessoas.

No mês de Julho, uma amiga minha, a Sara, largou tudo e foi pra escola missionaria para aprender de Deus e entregar a sua vida para missões e eu tenho visto o quão sofrido é você tornar a sua vida inútil pra si e ofertá-la ao Senhor. Mas, eu tenho certeza que por mais incomum que isso possa ser, não sentimos arrependimento em nos entregar sem reservas ao Senhor, sabe porquê? Por que quando descobrimos o proposito de nossa existência, não queremos ser outra coisa além daquilo que Deus nos criou para ser.

Missões... Você se importa?
Estamos também ajudando a Sara a ir levar o evangelho na Índia e Nepal em outubro, se você puder contribuir também será de grande ajuda.


"Eles necessitam de alguém que abra a boca e lhes fale sobre Deus. Eles precisam de Deus."

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Mas quem é você para julgar o seu próximo?

Irmãos, não falem mal uns dos outros. Quem fala contra o seu irmão ou julga o seu irmão fala contra a Lei e a julga. Quando você julga a Lei, não a está cumprindo, mas está agindo como juiz. Há apenas um Legislador e Juiz, aquele que pode salvar e destruir. Mas quem é você para julgar o seu próximo?
- Tiago 4:11-12


É lamentável essa miséria que ainda praticamos de falar mal uns dos outros, esses hábitos pertencem a velha natureza humana, mas isso não significa que vamos continuar pecando e colocando a culpa em nosso velho eu e agindo como vítimas. Se verdadeiramente nascemos em Cristo, somos novas criaturas e novas criaturas devem viver mediante a Palavra do Senhor.

Você não acrescenta em nada quando gasta o seu tempo para fofocar do seu próximo, pelo contrário, está apenas se sujando com Deus. Se você tem algo contra ou a favor de alguém, seja sincero e converse diretamente com essa pessoa e com Deus. Quem se diverte enquanto fala mal dos outros envenena a sua própria alma. E quão cega essa pessoa está!

Sabemos que falar mal das pessoas é errado e que estamos agindo como juízes, mas que moral temos para apontar os erros dos outros? Não somos justos e nem retos, e esse é um dos pecados que mais cometemos. Só Deus é justo!

Jesus com toda sua sabedoria disse aos fariseus e aos metres da lei, quando quiseram apedrejar a mulher adultera, Ele disse: "Aquele que não tiver pecado, atire a primeira pedra". João 8:7b
E com essas palavras que Jesus proferiu, foram acusadas as suas consciências e nem um daqueles homens ousou atirar um pedregulho sequer. Por quê? Porque viram que também pecam constantemente. 

Meus irmãos, nem sempre os seus pecados são os mesmos que os meus, mas todos somos pecadores, capazes de cometer os piores e mais obscuros pecados. Sendo assim, vamos parar de falar mal das pessoas, dos seus erros, de suas fraquezas.

Eu me lembro que um pecado de uma amiga (também cristã) me deixava profundamente chateada com ela, porque eu não o cometia e então eu não conseguia aceitá-lo também nela, eu a julgava pelo fato de ela conviver tão "bem" com ele, pois na verdade ela era escrava dele e estava se afundando. Mas, depois de um  tempo Deus foi me ensinando a não murmurar dela, ou julgá-la, ou apedreja-la com meus pensamentos. Pois, como Deus se sente vendo toda a minha imundícia e rebelião? Se com um pecado dela eu já fiquei furiosa, imagine Deus vendo todos os meus pecados... E isso penetrou fundo na minha consciência. Mas sendo Deus também misericordioso conosco, me mostrou que eu preciso ser paciente e orar pela minha amiga. Pois somente Ele a pode libertar, e eu compreendi isso.

E é assim que precisamos viver, orando pelos nossos irmãos e sendo pacientes. Não temos o direito de julgá-los, mas podemos de graça amá-los, oferecendo a nossa mão, a nossa oração.

Veja o que Richard Baxter citou: 

"Tenha cuidado para não cair em pecados que você condena nos outros."

E isso só revela que temos a capacidade de cometer os mesmos pecados que os outros cometem, por fim, que Jesus perdoe os nossos pecados e nos ajude a refrear as nossas línguas e os nossos pensamentos e que assim possamos parar de condenar os pecados alheios. 

A paz do Senhor,
- Patrícia Gomes

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Onde estão firmadas nossas raízes?


Desde pequena ouvi a Parábola do Semeador (Mateus 13, Marcos 4, Lucas 8:4), onde Cristo ensina que a semente é a Palavra de Deus que vem para frutificar nos corações retos e bons. Esse mês algo novo aconteceu, uma amiga ministrou a mesma Palavra num grupo de intercessão, e um versículo chamou atenção:

“Outras pessoas são parecidas com as sementes que foram semeadas no meio dos espinhos. Elas ouvem a mensagem, mas as preocupações deste mundo e a ilusão das riquezas sufocam a mensagem, e essas não produzem frutos.” (Mateus 13:22)

Ou seja, elas até germinam, mas não sobrevivem, pois não criaram raízes no que realmente é sólido, suas preocupações tomam conta do seu entendimento, do coração. Empenham-se em ter objetos materiais, fortunas, beleza, namoros, saideiras, deixando o essencial de lado. Não estou dizendo que todas essas coisas é pecado, estou afirmando que esmerar-se com o que vem do mundo, largar o que é Santo, te distanciará de firmar raízes no Glorioso Deus que é por você, que quer estar com você.

Tudo o que te afasta do Senhor, não vale a pena, apenas consome o seu interior.

Outrora, mesmo na igreja minhas preocupações eram superficiais, dinheiro, conquistas, até ouvia a Palavra, mas ela não firmava, até que o Senhor respondeu minha oração dizendo: “Filha, eu sou o teu tesouro, eu que trago o novo, preocupe-se apenas em estar perto e o mais virá”. Daquele dia em diante fixei raízes, ouvir a Palavra e segui-la foi o essencial. Continuo estudando com esforço por algo melhor, mas isso não toma o espaço do Senhor em minha vida, primeiro as coisas do céu, os demais serão acrescentados de acordo com a vontade do Eterno.

As ilusões mundanas de nada valem, parecem bonitas, mas são apenas distrações que tiram o foco do autêntico. Todas as preocupações da vida devem ficar em cuidado com o Senhor, que faz nova todas as coisas, a semente deve cair em boa terra em nossos corações, que a base seja Deus, Ele nos guiará ao infindável.

Graça e Paz.
Lavínia da Hora

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Você não tem desculpas para não amar

Como o Pai me ama, assim também eu vos amo. Perseverai no meu amor.
Se guardardes os meus mandamentos, sereis constantes no meu amor, como também eu guardei os mandamentos de meu Pai e persisto no seu amor.
Disse-vos essas coisas para que a minha alegria esteja em vós, e a vossa alegria seja completa.
Este é o meu mandamento: amai-vos uns aos outros, como eu vos amo.
- João 15:9-12

Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem; para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus;
- Mateus 5:44


Em um dia foi me dito: “Shirley, você só precisa amar a quem te ama, não tem porque se esforçar para agradar a quem te maltrata” e eu respondi: Se fosse simplesmente assim, de que me valeria ser chamada de seguidora de Cristo? Ele nos ensinou aquilo Pe Léo expressa muito bem - Caridade não é dar alguma coisa a alguém. Isso é filantropia. Caridade é dar-se inteiro a alguém que não merece – é exatamente isso que Jesus requer de nós. 

As Escrituras Sagradas nos ensina que o amor é uma decisão, um serviço, uma missão. 
Como diria John Stott: 

“Amor é mais serviço do que sentimento.”

Mas, porque amar é mais importante do que sentir?
Por que simplesmente não temos sentimentos que nos levem a amar quem julgamos não merecer esse amor. 
Você tem que amar independente do teu sentir. 
Você precisa aprender a viver dominado pelo Espírito Santo e não pelos teus sentimentos humanos. 

Parece surreal isso que acabei de falar. 
Como puder sentir-se extremamente humilhado, triste, ferido e cansado e mesmo assim ter ações de amor? 
É simples. Não viva pelo teu sentir, viva pelo “Assim diz o Senhor”. 

Como diria a canção “Não fale” de Os Arrais: 

“Pois se tenho a Cristo tenho a verdade, sim
No 'assim diz o Senhor' e não no 'eu sinto que'.”

Os nossos sentimentos muitas vezes nos impedem de fazer aquilo que Cristo nos ordenou. E preste atenção nos versos citados no inicio do texto, em nenhum momento Jesus disse: ‘Quando você sentir amor ame o seu irmão’, não! Ele disse “Ame”, independente do teu querer, do teu sentir e de todas as desculpas e justificativas que você pode ter, Ele disse “Ame” e não é um amor de palavras bonitas, é um amor que se deve mostrar através de ações. 
O próprio amor que é Cristo sacrificou-se em rendição de nossos pecados e não levou em consideração os seus sentimentos naquele instante, porque Ele sabia qual era a vontade do Pai. Ele não buscou agradar-se, Ele buscou servir, Ele amou e é isso que devemos fazer: Ter um amor decisivo que procede do próprio Deus. 

As lutas vêm e são bem difíceis quando você decide amar como Deus requer esse amor. Um turbilhão de lembranças vem a sua mente, e é como se de um lado estivesse os motivos para não amar e do outro lado à pergunta: Minha vida é dominada pelo Espírito Santo ou pela minha carne? Se a minha vida é dominada pelo Espírito, eu preciso desenvolver os frutos do Espírito e isso envolve a deixar o meu orgulho, o meu ego e o meu sentir e ir fazer aquilo que o Espírito manda: Amar. 

Quando fazemos aquilo que o Espírito Santo nos convence, alcançamos uma plena satisfação em espírito de alegria, a alegria que o Senhor produz em nosso coração quando estamos fazendo a sua vontade. 

Mas o fruto do Espírito é amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio. Contra essas coisas não há lei.
- Gálatas 5:22,23

As Escrituras Sagradas nos diz em Tiago 4:17: 

“Aquele, pois, que sabe fazer o bem e não o faz, comete pecado.”

Não somos salvos por boas obras, mas aquele que é salvo produz boas obras e se você nega-se a fazer o bem ao seu irmão, seja ele justo ou ímpio, está cometendo pecado. O Evangelho é as boas novas de Cristo para nós e inclui negar-se a si mesmo e tomar a sua cruz. A cruz de amor é pesado aos ombros de um homem natural, mas aos ombros de um homem espiritual o próprio Cristo a carrega. Biblicamente falando, não temos justificativas para não amar.

Durante essa leitura, veio a sua mente alguma pessoa ao qual você necessita amar com o amor de Cristo? 
Em caso positivo, não perca mais tempo, decida hoje a amar essa pessoa com o melhor que você tem e futuramente você contemplará os frutos dessa decisão. 
Não é fácil e nunca será, mas o Espírito Santo estará com você nessa missão. 

“Nossa visão é tão limitada que temos dificuldade em imaginar um amor que não se mostre em proteção do sofrimento. O amor de Deus é de uma natureza totalmente diferente. Ele não odeia a tragédia. Ele nunca nega a realidade. Ele se coloca bem no meio do sofrimento.” 
- Elisabeth Elliot

Shirley Costa 

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Poema para Deus



Cristo, eu realmente não poderei crer em Ti se não me deres este dom.
Pois o que há em mim,
é apenas incredulidade e profundos vãos.

Peço que converta-me dos meus maus caminhos
e que eu me volte prostrada
para Ti em todo amanhecer,
quando o sol nascer,
trazendo as Suas misericórdias junto ao dia.

Que eu esteja ansiosa por sua presença.
Que eu sinta saudades de estar em oração,
e que assim como um bebê repousa seguro no seio de sua mamãe,
quero estar  repousando à sombra do seu perdão.

 Da-me fé para prosseguir agarrada a Ti,
quer queira em tempos de bonança ou não.
Sustenta-me para que eu permaneça
em sua palavra em meio à dor,
e a todo tipo de perseguição.

Da-me fé para lutar contra o meu eu,
que em tantas vezes quer se exaltar,
chamando atenção para mostrar tão fútil "valor",
Contra o meu pecado garrado em minha carne
que desejam a impureza e um futuro eterno, amargo e cheio de dor.
Ó, quão miserável que sou! da-me fé, por favor!

Anseio permanecer junto a Ti,
por tudo o que és, meu Perfeito, Bendito e Amado Salvador.
Cristo, lugar de abrigo, onde encontrei o motivo por qual hoje eu vivo.
Se queres, faz de mim Amado meu, verdadeiramente um discípulo Seu.

- Patrícia Gomes

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Meu Pai, meu Herói

“Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu filho unigênito.”
- João 3:16


Sempre que chega o dia dos pais, ou a semana que antecede esse dia, eu lembro de João 3:16, onde o Pai testifica mais uma vez o amor que tem por nós. Talvez para muitos um versículo clichê, no entanto enxergo uma declaração de amor. A reflexão que trago surge de duas questões: Quem é o nosso Pai? Quanto vale o seu amor?

Onde existia apenas escuridão por causa do pecado, o Senhor iluminou com toda Sua Graça. Aquele lugar vazio que voltou a viver sem forma como era em Gênesis 1:1, foi completamente lavado pelo sangue do Filho amado. Ele trouxe misericórdia oferecendo nova vida para àqueles que crerem em Seu Nome (João 1:12-13), pecadores de natureza da nossa, sendo perdoados através do sangue puro de um Filho que nunca cometeu nenhum erro, apenas amou de tal forma dizendo: “Pai, se queres, passa de mim este cálice; contudo, não se faça a minha vontade, e sim a tua” (Lucas 22:42).

Mas, diante de toda essa Graça, quem é o nosso Pai?

Homem Ele não é, mas sim, amor compassivo, irresistível, onde sua bondade restringe qualquer atitude humana. Como bondade e justiça, Ele nos traz a realidade de estarmos distante do pecado, com toda dificuldade enfrentando nosso querer, mas fazendo parte dos seus escolhido, através da disciplina do Senhor, como está em Hebreus 12:10b, Deus porém nos disciplina para aproveitamento, afim de sermos participantes da sua santidade. Esse é o Amor, nosso Pai. No entanto, quanto vale o seu amor?

Creio que mesmo uma vida inteira em santidade não pagaria o que Jesus fez na Cruz, descrevo dessa forma, pois seu sacrifício foi único, e não haverá outro da mesma intensidade, nem mesmo que se compare. Mas o que nos é pedido é ser como Ele, ter vida com Ele; nada é perdido, mas sim o ganho de uma Graça Abundante.

A pergunta não foi respondida, não é mesmo?
Bem, esta reflexão eu deixo para cada um de nós todos os dias, quanto vale o amor do nosso Pai?

Graça e paz à todos.
Lavínia Da Hora

segunda-feira, 31 de julho de 2017

Testemunho de uma Ex-Lésbica

Há uns meses, li no blog Mulheres Piedosas um texto escrito por Rosaria Butterfield, o testemunho dela a respeito de sua luta contra a homossexualidade. E hoje vim compartilhar esse post com vocês, espero que sua vida seja edificada.


Os incrédulos não lutam contra a atração pelo mesmo sexo. Eu não lutei. Meu amor por mulheres veio sem nenhuma luta.

Eu não fui sempre lésbica, mas nos meus vinte e tantos anos, eu conheci minha primeira amante lésbica. Eu estava apaixonada e acreditava que eu tinha me encontrado. Sexo com mulheres era parte da minha vida e identidade, mas não era a única parte – e nem sempre a maior parte.
Eu simplesmente preferia mulheres em tudo: companhia, conversa, companheirismo e os contornos de seus/nosso corpo. Senti-me acolhida e criei uma casa e um lar em meio à comunidade lésbica.
Como uma professora de Inglês descrente, uma defensora do pós-modernismo e pós-estruturalismo e uma adversária de todas as meta-narrativas totalizantes (antigamente eu citaria o Cristianismo como exemplo), eu encontrei paz e propósito na minha vida como lésbica e na comunidade homossexual que eu ajudei a criar.

Conversão e Confusão

Foi só depois que eu conheci meu Senhor ressurreto que eu senti vergonha do meu pecado, das minhas atrações e do meu histórico sexual.
Minha conversão trouxe consigo um trem descarrilhado de sentimentos contraditórios, que iam de liberdade até vergonha. A conversão me deixou confusa também. Embora estivesse claro que Deus proibia sexo fora do casamento bíblico, não era claro para mim o que eu deveria fazer com a gama complexa de desejos, atrações, sensibilidades e sentidos que eu tinha dentro de mim mesma e que ainda me definiam.
O que é pecado de transgressão sexual? O sexo? A identidade? Quão profundo o meu arrependimento deveria ser?
Conhecendo John Owen
Nestas lutas recém-descobertas, um amigo recomendou que eu lesse um velho teólogo do século XVII chamado John Owen, em um trio de seus livros (agora agrupado sob o título “Para Vencer o Pecado e a Tentação”).
No início, eu fiquei ofendida ao perceber que o que eu chamei de “minha identidade”, John Owen chamava de “pecado interior.” Mas eu perseverei. Owen me ensinou que o pecado se manifesta na vida do crente de três formas: como distorção do pecado original, distração em relação aos pecados do cotidiano e desencorajamento pela manifestação diária das obras da carne.

Eventualmente, o conceito de pecado interior abriu uma janela para que eu visse como Deus pretendia substituir minha vergonha por esperança. De fato, o entendimento de John Owen a respeito do pecado é o elo perdido na atual confusão cultural no que diz respeito à natureza do pecado sexual e o que devemos fazer a respeito.

Como crentes, lamentamos com o apóstolo Paulo, “Porque não faço o bem que prefiro, mas o mal que não quero, esse faço. Mas, se eu faço o que não quero, já não sou eu quem o faz, e sim o pecado que habita em mim” (Romanos 7.19-20). Mas depois de lamentarmos, o que devemos fazer? Como devemos pensar a respeito do pecado que se tornou uma parte diária de nossa identidade?
Owen explica com quatro respostas:

1. Mate-o de fome
O pecado que habita em nós é um parasita que se alimenta de tudo que você faz. A palavra de Deus é veneno para o pecado, quando recebida por um coração renovado pelo Espírito Santo. Você mata o pecado de fome quando se alimenta profundamente da Palavra. O pecado não pode resistir à Palavra. Assim, encha seu coração e sua mente com a Escritura.
Uma forma que eu faço isso é cantando os Salmos. Cantar os salmos, para mim, é uma prática devocional poderosa, pois me ajuda a submeter minha vontade à de Deus e memorizar sua palavra enquanto o faço. Nós matamos o pecado de fome quando lemos a Escritura de forma compreensiva, em porções grandes, livros inteiros de uma vez só. Isso nos permite ver a providência de Deus agindo de forma mais ampla.

2. Chame o pecado pelo nome
Uma vez que ele habita em você, não compre uma coleira, uma casinha e um apelido carinhoso. Não admita o pecado como um animal de estimação inofensivo (nem mesmo adestrável) . Pelo contrário, confesse-o como uma ofensa maligna e coloque-o para fora! Ainda que você o ame! Você não pode domesticar o pecado, convidando-o para sua casa.
Não promova uma paz falsa. Não dê desculpas. Não trate o pecado de forma sentimental. Não se faça de vítima. Não viva por meio de autojustificação. Se você leva o filhote de tigre para casa e o chama de Fofo, não se surpreenda se um dia você acordar e o Fofo estiver te comendo vivo. É assim que o pecado funciona e o Fofo sabe fazer seu trabalho. Às vezes o pecado se esgueira e fermenta por anos, enganando o pecador, fazendo-o acreditar que tudo está sob controle, até que ele se lança sobre tudo que você construiu, edificou e amou.
Seja sábio a respeito de seus pecados, não os mime. Lembre-se de que o pecado nunca é sua identidade se você está em Cristo. Em Cristo, você é um filho ou uma filha do Rei; você é parte da realeza. Você batalha contra o pecado porque ele distorce sua identidade real; você não se define por esses pecados presentes em sua consciência e na vida diária.

3. Elimine o pecado, matando-o
O pecado não é apenas um inimigo, diz Owen. O pecado está em inimizade contra Deus. Inimigos podem ser reconciliados, mas não há esperança de reconciliação para qualquer coisa em inimizade com Deus. Qualquer inimigo de Deus deve ser morto. Nossas batalhas com o pecado nos levam para mais perto da união com Cristo. O arrependimento é uma porta para a presença de Deus e para a alegria nEle.
De fato, nossa identidade está em sermos crucificados e ressuscitados com Cristo:
“Fomos, pois, sepultados com ele na morte pelo batismo; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos pela glória do Pai, assim também andemos nós em novidade de vida. Porque, se fomos unidos com ele na semelhança da sua morte, certamente, o seremos também na semelhança da sua ressurreição, sabendo isto: que foi crucificado com ele o nosso velho homem, para que o corpo do pecado seja destruído, e não sirvamos o pecado como escravos” (Romanos 6.4-6).

Satanás irá usar nosso pecado como chantagem, declarando que não podemos estar em Cristo e pecar com o coração ou com o corpo. Nesses momentos, lembramos a ele que ele está certo em apenas um ponto: nosso pecado, de fato, é pecado. Ele realmente é uma transgressão contra Deus, e nada mais.
Mas Satanás está completamente errado no ponto mais importante. No arrependimento, nos colocamos junto ao Cristo ressurreto. E o pecado que cometemos (e iremos cometer) está coberto pela justiça dEle. Mas devemos lutar. Deixar o pecado em paz, diz Owen, é deixar o pecado crescer – “não vencê-lo é ser vencido por ele”.

4. Cultive diariamente sua nova vida em Cristo
Deus não dos deixa sozinhos para lutar a batalha em vergonha e isolamento. Pelo contrário, através do poder do Espírito Santo, a alma de cada crente é “vivificada”. “Vivificar” significa animar, dar vida. A vivificação complementa a mortificação, e ao fazê-lo, permite que vejamos a perspectiva da santificação, que inclui dois aspectos:

1) Salvação dos desejos do pecado, experimentada quando a graça da obediência nos dá o “poder expulsivo de uma nova afeição” (citando Thomas Chalmers).
2) Humildade a respeito do fato de que precisamos diariamente do fluxo da graça de Deus que vem do céu e, não importa o quanto o pecado tente nos enganar, esconder nosso pecado nunca é a resposta. De fato, o desejo de sermos fortes o suficiente em nós mesmos, para que vivamos independentes de Deus, é o primeiro pecado, a essência do pecado, e a mãe de todos os pecados.
Esse elo perdido de Owen é apenas para os crentes. Ele diz, “a não ser que um homem seja regenerado, a não ser que seja um crente, todas as suas tentativas de mortificação do pecado … não tem propósito. Em vão ele usa muitos remédios, mas não será curado”.

O que um descrente pode fazer, então? Clamar a Deus para que o Espírito Santo lhe dê um novo coração e converta sua alma: “mortificação do pecado não é a tarefa dos homens não regenerados. Deus não os chama a isso; sua busca é pela conversão – de toda a alma – não a mortificação deste ou daquele pecado”.

Livre para se alegrar

Nos escritos de John Owen encontrei como e por que as promessas da satisfação sexual em meus próprios termos eram a antítese do que eu antes cria fervorosamente. Ao invés de liberdade, meu pecado sexual era escravidão. Esse puritano do Século XVII me revelou como meus desejos e sensibilidades homossexuais eram enganos aterradores.
Hoje, eu agora faço parte de uma longa linhagem de mulheres piedosas – a linhagem de Maria Madalena. O evangelho veio com a graça, mas exigiu uma guerra irreconciliável. Em algum lugar desse campo de batalha sangrento, Deus me deu um desejo implacável de me tornar uma mulher piedosa, coberta por Deus, firmada em sua palavra e sua vontade. Esse desejo se transformou em outro desejo: o de me tornar, se o Senhor assim desejasse, a esposa piedosa de um marido piedoso.
Foi aí que eu percebi. A união com o Cristo ressurreto significava que tudo o mais foi crucificado à cruz. Eu não poderia ter minha antiga vida de volta, se quisesse. De início, foi aterrador, mas quando olhei para o abismo do meu temor, encontrei paz.

Nessa paz, descobri que o evangelho está sempre à frente. Nosso lar está adiante de nós. Hoje, apenas pela maravilhosa graça de Deus, sou parte da família de Deus, onde Deus se importa com os detalhes do meu dia, os deveres de casa de matemática das crianças e a bagunça da comida derramada após o jantar e, acima de tudo, com as pessoas, feitas à imagem de sua preciosa graça: o homem que me chama de amada e as crianças que me chamam de mãe.


segunda-feira, 24 de julho de 2017

O que decide seu destino?

Engraçado como nos acomodamos mediante ao tempo. E mais engraçado ainda é que nos acomodamos com aquilo que consideramos "bom" e não lutamos para conquistar o "melhor". Tenho refletido bastante sobre isso ultimamente e olho para mim mesma e vejo o quanto me acomodei. Um emprego que supra minhas necessidades básicas está bom, um conhecimento regular está bom, um nível de relacionamentos rasos está bom... E assim passam anos e anos na mesma mesmice! E isso tudo acontece porque nós mesmos não temos coragem de nos confrontar e arriscar viver novas experiencias. Mesmo quebrando a cara, mesmo sofrendo em cada decisão, mesmo sendo criticado e humilhado devemos nos submeter a lutar por aquilo que é o "melhor", porque o preço da acomodação é a mediocridade e isso ninguém precisa lutar para conseguir, vem de presente.

Aconteceram algumas coisas dentre esses dias e dentre elas está a Ministração a seguir que fala a respeito de propósitos e destino. Espero que abençoe a sua vida, transforme a sua mente e direcione seu caminho.




"O caminho certo é igual o caminho errado, só o destino que é diferente."

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Conta aí a sua historia

Queridos leitores, hoje teremos novamente mais um testemunho no blog! Glórias á Deus! Creio que todo testemunho é louvável para edificação do servo de Deus, pois ao saber de como Deus mudou a vida de alguém, temos ainda mais esperanças em acreditar que Ele mudará a nossa também. Nada é fácil nessa vida, mas ter fé é a melhor saída. E cada fase que passamos, temos algo a contar, e hoje a nossa irmã Débora, veio nos contar um pouco de sua historia!

Conta aí a sua historia Débora!

Tudo começou há mais ou menos 3 anos, eu era uma jovem de 16 anos que estava desviada há muito tempo, eu ocupava meu tempo e minha vida ouvindo minhas músicas seculares preferidas e idolatrando uma cantora da qual eu era super fã, era apaixonada por ela, sabia todas as músicas, tinha todos os cd's, revistas, enfim, sabia tudo sobre ela. Como muitas jovens da minha idade eu era tímida, não tinha amigas, não gostava de sair e era muito antissocial. Passava boa parte do meu tempo em redes sociais como o Facebook, e ali eu via as pessoas postando fotos das suas vidas, saindo com seus amigos, se divertindo, e pensava o quanto da vida eu estava perdendo e que nunca teria uma vida como aquela.

Então pra esquecer essas coisas que eu pensava e me sentir melhor eu ouvia minhas músicas e ocupava meu tempo idolatrando minha cantora favorita. Acontece que nada disso era o bastante para preencher o vazio que constantemente eu sentia dentro de mim, era uma ajuda passageira que nunca resolveu meus problemas. Vez ou outra eu estava me sentindo bem, quando do nada começava a me sentir sozinha, esquecida pelo mundo, pelas pessoas, começava a sentir uma angústia muito grande dentro de mim, tinha vontade de morrer, não queria ver pessoas, nem mesmo minha família, não queria a ajuda de ninguém, ficava me perguntando porque eu tinha nascido e pensava que eu estava destinada a morrer sozinha.

Com o tempo tudo isso foi se transformando em depressão, eu passava a maior parte da minha vida trancada em meu quarto, para mim, minha vida já não tinha sentido.

Então uma irmã que sempre passava em frente a minha casa convidou minha mãe para ir visitar sua igreja, então de vez em quando íamos a essa igreja, mas meus problemas continuavam, até que um dia eu resolvi que queria mudar de vida. Era um domingo e eu decidi que naquele dia iria na igreja e aceitaria Jesus, pois eu sabia que só Ele poderia mudar a minha vida, e foi exatamente o que fiz. Fui à igreja, aceitei Jesus, me firmei na igreja novamente, um ano depois me batizei e hoje permaneço mais firme do que nunca.

O Senhor me libertou de todos os meus problemas, restaurou a minha vida, e hoje não ouço mais música secular e nem idolatro nenhuma cantora, pois ele tirou esses desejos de mim, Ele tirou minha vergonha e timidez e hoje canto na igreja e faço parte do grupo de jovens. Posso dizer que foi a melhor decisão que tomei na vida, e só me arrependo de não te-la feito antes. O Senhor me escreveu uma nova história, e hoje eu o louvo por tudo o que fez em minha vida.

"O amor de Deus é perfeito.
A sabedoria de Deus é infinita.
O controle de Deus é soberano.
O objetivo de Deus é bom."
- Bob Welch

Se você quiser também compartilhar conosco o seu testemunho, envie um e-mail para shirleycosta16@hotmail.com. O seu testemunho incentiva e ajuda a outros irmãos na fé que estão na batalha juntamente comigo e com você!

Fiquem na paz e até o próximo "Conta aí a sua historia", no próximo pode ser a sua!

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Uma mulher segundo a vontade de Deus

Deixe-me ser o que fui criada para ser, deixe-me ser uma mulher.
- Elisabeth Elliot

Essa frase da nossa querida Elisabeth, me faz refletir muito no que é ser de fato uma mulher segundo a vontade de Deus.
E então me vem à mente as seguintes perguntas:
Como tem sido nosso comportamento diante da nossa feminilidade?
O que é ser exatamente uma mulher?
A frase citada trata-se de uma frase cristã. Quem nos criou? Foi Deus!

Gênesis 2:22: E da costela que o Senhor Deus tomou do homem, formou uma mulher, e trouxe-a a Adão.

E como tem sido o nosso comportamento feminino diante de Deus?
E para Ele o que é ser uma mulher? Será que já nos perguntamos isso em algum momento?
Deus nos fez mulheres e colocou em cada uma de nós, feminilidade natural.
Algo que nos diferencia totalmente dos homens.
Sendo nós mulheres cristãs, o que Deus definiu para nós?


O livro de Provérbios no capitulo 31 a partir do versículo 10 fala sobre a mulher, vou citar aqui alguns versículos desse capitulo:

1- Ela é virtuosa. (Pv 31:10)

Será que temos virtudes de mulheres cristãs? As quais são: 

Bondade. Mansidão. Misericórdia. Sabedoria. Humildade. Amor. Paciência. Obediência.
Se ainda não as temos, devemos buscar perdão em Deus e pedir que nos faça mulheres virtuosas para servi-lo e assim seremos mudadas nessa área de nossas vidas, porque virtude é dom de Deus.

2- Ela se veste de modo respeitoso. (Pv31:25)

Para a mulher cristã a força e honra são os seus vestidos.

Como tem sido nossas vestes? Elas devem ser comportadas, respeitosas de modo que nos cubra o suficiente para não atrairmos olhares de homens por causa do nosso corpo. 

Paul Washer citou:

Se a sua roupa é uma moldura para o seu rosto, da qual a glória de Cristo deve brilhar, então é a roupa boa aos olhos do Pai. Se você se veste de propósito para que a roupa seja moldura para o seu corpo, é sensual e Deus odeia. Você está agindo como pedra de tropeço e era melhor que uma pedra fosse amarrada ao seu pescoço e você fosse lançada ao mar. Jovens homens é a mesma coisa.

3- Ela fala com sabedoria. (Pv31:26)

Quais têm sido nossos conselhos para alguém quando abrimos a boca? Será que temos falado de modo correto biblicamente? O quanto da palavra temos estudado para falar com sabedoria?

4- Ela NÃO é preguiçosa. (Pv31:27)

A mulher que Deus criou, deu-a coragem e disposição para trabalhar e cuidar do lar, marido e  filhos com bondade, com amor, com zelo, com gosto. Muitas de nós ainda não somos casadas, eu por exemplo, ainda sou solteira, mas será que sou uma mulher preguiçosa? Se for, devo me consertar, pois não estou agradando a Deus. 

5- Ela é temente a Deus. (Pv 31:30)

Ela sabe que a beleza física vai se acabar com o tempo, por isso ela não se prende a vaidade de modo exagerado.
Será que nós temos passado mais tempo em oração ou em salões de beleza?

Na bíblia somos citadas como "vasos mais frágeis" e não devemos nos envergonhar disso e nem nos sentir inferiores, porque isso significa que os nossos maridos devem nos tratar com delicadeza, cuidado e amor. Ao mesmo tempo somos fortes, doces e acolhedoras e isso para mim desde já é um atributo maravilhoso.
E quando formos casadas, seremos para os nossos maridos como um lugar de repouso para o dia mal dele, o nosso papel será de auxiliadora e submissão, respeitando os nossos maridos, tratando-os com carinho. E isso não é vergonhoso, pelo contrario, é uma benção e como recompensa receberemos elogios deles.

Tudo isso nos faz Mulheres segundo a vontade de Deus. 
Que possamos saber usar a porção de feminilidade que Deus deu a cada uma de nós e aceitarmos o significado do que isso significa para Deus. 

O seu valor muito excede ao de Rubis. (Pv 31:10b)

Ela é valorosa e ela é feliz! Feliz por ter a presença de Deus e servi-lo também por meio de sua feminilidade. 

Então, agora eu entendo o que fui criada para ser, uma mulher segundo a vontade de Deus. 

-- 
Patrícia Gomes

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Colunistas no blog!

Queridos leitores, é com muita alegria que venho contar sobre a mais nova novidade no blog: Agora teremos duas colunistas!
A Patricia Gomes e a Lavínia Da Hora, que já são editoras da Página "Eu não sou uma menina comum" no Facebook, agora também estarão conosco aqui no blog. As duas já escreveram para o blog diversas vezes, e agora toparam estar conosco sempre aqui no blog, trazendo da parte de Deus uma Ministração aos nossos corações. Estou particularmente muito feliz, pois além de serem minhas amigas pessoais, são minhas irmãs em Cristo, onde o mesmo me presenteou para levar adiante sua obra. Glórias á Deus pela vida de vocês, eu amo-as!


Vamos conhecer um pouco das nossas colunistas: 

Patrícia Gomes, Cristã, 24 anos, RJ. 
Pecadora remida porque o AMOR me amou. Perdoou-me e deu-me vida. E nenhuma condenação há mais sobre mim. 


Lavínia Da Hora, Cristã, 22 anos, BA. 
Pecadora remida pela Graça. Flor. Serva. Amante de livros, músicas, flores e coxinha. Apaixonada por historias de pessoas simples e amores singelos. Seguindo os passos de Jesus. 


"Nosso trabalho é fazer brilhar a luz da verdade de Deus. Ele decidi como e onde iluminar os corações dos homens."
- John Macarthur

Com fé e Gratidão,
Shirley Costa

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Como viver sabendo que o seu melhor amigo está morrendo?

Domingo, dia vinte e cinco de junho, assisti a um filme chamado "A Cura". Basicamente é a história de um menino que foi contaminado com o Vírus HIV (AIDS), doença que os cientistas não descobriram a cura. Esse menino tem 11 anos, e em consequência de uma mudança, encontra um amigo. E esse amigo passa todos os seus dias amando ele incondicionalmente. Sua intenção é encontrar a cura para aquele que tornou-se o seu melhor amigo. Ele começa a fazer aquilo que nunca tinha feito antes, corre riscos, protege, cuida, defende e dá tudo de si pela vida do amigo.


Penso que devemos pensar a respeito do evangelho também dessa forma.

Estamos todos contaminados com o pecado, assim como a AIDS envenenou o sangue daquele menino.
Mas, mesmo assim tentamos fingir que está tudo bem e levamos a vida. De forma rasa, mas levamos.
Nos entretemos com bebidas e drogas, nos divertimos com prostituição, e temos orgulho de ser imorais e idolatras. Até pensamos de acordo com a ética e moral e sabemos que segundo "as regras", esse não é o melhor jeito de viver, mas e daí? Estamos morrendo mesmo, que diferença vai fazer?
Estamos morrendo, estamos caminhando para o abismo, mais cedo ou mais tarde vai acontecer, nada importa mais.

Mas, em meio ao caminho, acontece uma mudança inesperada. Dentro de nós ou no meio que nos envolve, algo acontece e causa turbulência.
Então pensamos, a morte já não é um castigo muito duro, é necessário mesmo mais surpresas durante a vida?

Mas, as surpresas acontecem e mudam todo o trajeto, porque agora você encontra um novo amigo.

Ele sabe que você está doente, ele sabe que você vai morrer, mas ele está disposto a te ajudar a encontrar a cura, afinal, o amor dele por você é tão grande e infinito que Ele torna isso a sua missão de vida. Para ele, nada importa mais, a não ser que você seja curado.

E enquanto Ele está com você te ajudando a encontrar essa cura, ele começa a te ensinar novas formas de aproveitar a vida, ele te conduz a verdadeira felicidade.

Você não precisa mais se afundar no álcool pra conseguir sorrir. Você não precisa mais está na prostituição para se satisfazer. Você não precisa mais agir de uma forma ilegal para que te aceitem.

Não! Agora você é livre para ser você! Para sorrir, para desabafar, para contar seus medos e alegrias, e para batalhar para viver.
Isso não é maravilhoso!
Ter um amigo, ter um melhor amigo!
Saber que não está sozinho, saber que quando dói Ele está do seu lado, saber que Ele é realmente feliz estando com você!

As palavras dele são tão doces que te acalma, o olhar dele é tão protetor que te dá segurança. Não importa onde você esteja, se é trancado em seu quarto ou num leito de hospital, Ele estará lá.
Simplesmente, porque o amor dele por você não tem fim. Esse amor, é a sua, é a minha cura, porque esse amor vem do nosso melhor amigo: Jesus Cristo.

Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.
- João 3:16

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Conta aí a sua historia

Em 2012, tivemos um testemunho no blog da Daiane Sousa (Clica aqui), no quadro "Conta aí a sua Historia", que é um espaço no blog para você compartilhar as suas experiencias de vida e como Deus restaurou a sua historia. E hoje teremos mais um testemunho! Eu fico extremamente feliz quando recebo os e-mail's de vocês, e vejo como Deus tem trabalhado em cada coração para que o nome dele seja glorificado! A nossa irmã que vai nos contar o seu testemunho, pediu para não ser identificada pois é uma situação delicada, mas o que importa é que a gente se alegre em saber como Jesus mudou a sua vida e termos esperança que assim será com a nossa, pois Deus é bom e o seu amor dura para sempre!


Conta aí a sua historia flor!

Olá, espero que meu testemunho ajude vocês.

Nunca tive uma vida em um mar de rosas...

Minha infância foi bem conturbada, cresci em um lar onde via meu pai agredir minha mãe fisicamente e verbalmente, mesmo sendo pequena, sempre tentava intervir e defender minha mãe do meu pai e foi assim por longo anos até a minha adolescência. Ele dizia que eu não era filha dele, que eu era fruto de uma traição e as palavras dele me feriam muito,  cresci vendo meu pai como um monstro e sempre que eles brigavam, eu pedia a minha mãe que se separasse dele e denunciasse pra ele aprender! Mas ela nunca o fez porque o amava demais.
Quanto mais velha eu ficava, mais eu me tornava uma pessoa rebelde, fria e amargurada! 

A paz chegava aos finais de semana quando sempre ia á casa da minha avó, mas aos meus 12 anos passei por algo que me marcou muito... Um "tio" (filho do padrasto de minha mãe) tentou abusar sexualmente de mim por diversas vezes, ele esperava eu dormir e tocava minhas partes íntimas, até  que um dia acordei sem minha calcinha e tinha sangue na minha roupa... Eu achei que era pela menstruação e logo tomei providências, mas depois quando vi não havia mais sangue, ele havia me ferido com as unhas, mas depois achei que ele havia tirado minha virgindade por eu ser muito imatura e desinformada! E desde então me senti uma pessoa imunda, sentia nojo de mim mesmo, decidi não ir mais para casa da minha avó  e eu carregava o peso de um lar conturbado e de um abuso que eu não tinha coragem de contar a ninguém... Ninguém nunca entendeu o porquê de ter de me afastar da casa dos meus avós, mas eu também nunca quis explicar!

Tornei-me uma adolescente raivosa, agressiva, revoltada! E fui criada na igreja, mas não tinha maturidade e fui desviando... 

Aos 14 anos comecei a namorar um cara da mesma rua que eu e no início era tudo perfeito, até que com o tempo ele começou a destruir minha autoestima, dizendo que eu era muito vulgar na forma em me vestir, mas eu nunca usava roupas sensuais, ele brigava comigo a toa, e me fazia me sentir um lixo e culpada pelas nossas brigas, e eu sofria muito, todas as vezes que ele queria um tempo pra curtir ele terminava comigo e já chegou a passar com outra na minha frente, e eu só me afundava mais, fiquei feia, cheguei a pesar 44 kg que pra minha altura é considerado um peso péssimo... Foram quatro anos lutando por um relacionamento abusivo, e que me tirou da igreja, o fim foi dado quando ele sumiu um dia inteiro eu fiquei ligando por horas pra ele e ele desligando e quando retornou as 02h:00min terminou comigo e eu resolvi falar tudo que eu tinha entalado, chamei ele de fracassado, de imbecil... Desabafei!

E meus pais por sua vez já vivendo uma vida conjugal abençoada colocaram um basta e não aceitaram mais que reatássemos (porque por mim e por ele voltaríamos)... Sofri muito para supera-lo!

Conheci um cara que era 12 anos mais velho que eu e namoramos por 4 meses até  que ele me largou e voltou para ex mulher e casaram com direito a festa e tudo isso em 5 meses depois de separarmos e mesmo separados ele ainda me procurava e me dava esperanças,  só  deixei de me relacionar quando descobri que ele estava com ela... E foi mais sofrimento, virei uma pessoa horrível, tudo que fizeram comigo eu descontava nos caras que se aproximavam de mim, iludia e magoava eles, depois sumia sem deixar rastros! 

Depois decidi me vingar da esposa do meu ex que havia casado já, ele me convidou a ir passar o dia com ele no motel e eu aceitei (foi o pior dia da minha vida) quando vi a aliança dele na bancada, me senti um lixo, suja, fiquei com tanto nojo de mim que eu vomitava tudo que comia porque meu estômago se embrulhava com as lembranças de tudo aquilo, não tive prazer algum!

Vivi anos cega, conhecendo e desconhecendo pessoas , nunca mais namorei ninguém sério durante 2 anos!
E nesses dois anos também sofri muitas decepções e lutas... 

Mas, hoje aos 21 anos, descobri que nossa vida não se resume a relacionamentos e tudo aquilo que a vida nos oferece são apenas propostas, cabe a nós aceitarmos ou não, você só será fracassada se aceitar esse titulo na sua vida, Deus está sempre com os ouvidos inclinados e as mãos estendidas para nós e devemos procurá-lo em todos os momentos, pois voltei a buscar a Deus e servir em espírito e em verdade e hoje entendo que tudo que passei e ainda passo tem um propósito! Hoje sou um diário para muitos que me procuram e até mesmo pessoas mais velhas, sou levita da casa de Deus e louvo em varias igrejas e realizo cultos voltados para jovens na minha igreja! A partir das experiências que tive hoje ajudo a todos aqueles que se encontra em momentos difíceis e sou grata a Deus por tudo que passei e ainda passo, pois somos soldados de cristo então temos que estar sempre prontos para as batalhas!

"Jesus Cristo conhece os erros que você cometeu, mas não veio para apagá-los. Veio para desfaze-los! Não veio para condená-lo, mas para transformá-lo. É possível ter uma ficha limpa!"
- Rick Warren

Se você quiser também compartilhar conosco o seu testemunho, envie um e-mail para shirleycosta16@hotmail.com. O seu testemunho incentiva e ajuda a outros irmãos na fé que estão na batalha juntamente comigo e com você! 

Quero deixar meu agradecimento e gratidão a você flor por ter dividido conosco esta grande alegria da sua reconciliação com Deus e restauração de sua jornada, Deus te abençoe grandemente e continue a grande obra em sua vida!

Fiquem na paz e até o próximo "Conta aí a sua historia", no próximo pode ser a sua!

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Não espero perfeição, espero amor

“Ainda acredito no amor e a minha fé não é filosofia...”
- Marcela Taís


Qual seria hoje a maior prova de amor que você poderia receber de alguém?
Seriam flores e um cartão enfeitado? 
Seria uma linda declaração de amor no Facebook e umas fotos felizes?
Seria uma cesta com tudo aquilo que você mais ama? 

Poderia ser sim e seria maravilhoso. 
Seria maravilhoso você poder estar ao lado de quem você ama e apreciar cada momento. 
Cada abraço, cada beijo, cada laço. 

Mas, esses são apenas o enfeite do presente, a cobertura do bolo. Não é o essencial. 
Toda estrutura de algo é feita com um material que aparentemente parece feio e desajeitado. É ou não é? 
Um bloco pra construir uma casa é de aparência sem graça, a farinha de trigo para fazer um bolo não tem gosto bom, mas tanto um como o outro são essenciais para solidificar e incorporar a estrutura. 

Nos relacionamentos é a mesma coisa. Uma foto sorrindo no Facebook não quer dizer nada, ela não define que tipo de relação você tem, mas, a forma como você é tratado define. 
Do que adianta estar ao lado de alguém que na frente dos outros diz que eu sou a melhor do mundo e quando está sozinho comigo me diz que eu sou a pior? 
Do que adianta demonstrar afeto, carinho, responsabilidade, comprometimento diante de todos, menos diante de mim? Afinal, ele se relaciona com “os outros” ou comigo? 
Não, não estou falando de encontrar alguém perfeito, mas alguém que saiba amar dentro e fora, com pessoas ou quando ninguém está olhando. 

Fazer as coisas por obrigação, é a pior forma de fazer algo, e muitos casamentos estão assim. 

O marido coloca comida dentro de casa por obrigação, a esposa cozinha por obrigação e os filhos crescem entendendo que a vida é uma lista de obrigações e as coisas não são assim. 

Não temos que fazer as coisas porque somos obrigados e sim por amor. 

O marido ama a sua família e por isso vai fazer o possível para sustenta-la. 
A esposa ama a sua família e por isso vai fazer o possível para servi-la. 
Os filhos que crescem em um ambiente assim sentem-se protegidos, amados e cativados a fazer o mesmo. 

Claro que terão as dificuldades, e muitas. É difícil abrir mão de algo pessoal para dar a alguém, é difícil admitir um erro para não brigar, é difícil conviver com alguém que é completamente o oposto de você, mas não é impossível, principalmente se você fizer do “amor” a missão mais importante da sua vida.

Não queira uma vida de aparências. 

Ninguém consegue ser feliz vivendo sorrindo por fora e chorando por dentro, nunca foi isso que Deus planejou para nós, agora precisamos estar dispostos a amar com tudo que temos e com tudo que somos e isso vai muito além do que as minhas palavras. 

Não quero encontrar alguém perfeito, mas espero que mesmo em nossos muitos defeitos, nós saibamos nos amar. 

- Shirley Costa