Jejum não é greve de fome

“Exercícios espirituais são práticas que alimentam e fortalecem a nossa espiritualidade. Elas estão ao alcance de todos e são importantes para aprofundarmos a nossa vida de fé.
Uma dessas práticas é o jejum. Para que ele serve?


Há quem confunda jejum com greve de fome. Para estes, o jejum seria um meio de “agilizar” uma resposta de Deus; de fazer com que a resposta venha mais depressa.
Na verdade, o jejum pode adiantar uma resposta de Deus, mas não da forma como imaginam alguns. A finalidade do jejum não é “torcer o braço de Deus” até que Ele nos responda. Isso não funciona com Ele. Não há poder no céu ou na terra que possa obrigar Deus a fazer qualquer coisa. Deus não responde a comandos; é Ele quem comanda. Ele é Senhor absoluto de todas as coisas. Tentar inverter essa ordem é a raiz do pecado.
Por isso, toda tentativa de obrigar Deus a cumprir o nosso desejo pessoal sem levar em conta a vontade dEle resulta em desastre. 

Para que serve o jejum então?

Serve para nos humilhar!

Para colocar a nossa alma rebelde e inquieta sob jugo, para nos alinhar ao propósito de Deus. O célebre pensador cristão C.S Lewis disse certa vez: “Minha oração não muda Deus, muda a mim!”.

Quando, finalmente, a nossa alma para de lutar para que seja feita a vontade dela, então Deus pode intervir. Deus atende a nossa submissão, não á nossa greve de fome.

O jejum torna a nossa alma mais dócil, menos rebelde; ele conduz ao lugar de submissão. Ele alinha a nossa vontade a Deus, não Deus á nossa vontade. “Mais do que qualquer outra disciplina, o jejum revela as coisas que nos controlam. Este é um maravilhoso beneficio para o verdadeiro discípulo que anseia ser transformado á imagem de Jesus Cristo”.

O jejum deve sempre concentrar-se em Deus. “João Wesley declarou: Primeiro, seja ele(o jejum) feito para o Senhor com nosso olhar fixado unicamente nele. Que nossa intenção aí seja esta, e esta somente, de glorificar a nosso Pai que está no céu. Esse é o único modo de sermos salvos de amar mais a benção  do que Aquele que abençoa”.

Caso ainda não o pratique, convido-o a transformar isso em um habito voluntario, não numa lei. Não é uma competição de “quem jejua mais”, mas uma expressão de afeto e desejo de submeter-se ao Criador. Ao jejuar, use o tempo das refeições para colocar-se na presença de Deus.
A principio, o jejum lhe parecerá um tormento, mas os resultados verificarão mais tarde. Você perceberá um maior silencio interior, uma maior disposição á obediência, uma maior percepção da presença de Deus e entendimento da sua vontade.”

- Autor desconhecido

Cristianismo puro e simples

"O problema real da vida cristã aparece onde as pessoas normalmente não o procuram. Ele aparece no instante em que você acorda a cada manhã. 
Todos os desejos e esperanças para o dia correm para você como animais selvagens. 
E a primeira tarefa de cada manha consiste simplesmente em empurrá-los todos para trás; em dar ouvidos a outra voz, tomando aquele outro ponto de vista, deixando aquela outra vida mais ampla, mais forte e mais calma entrar como uma brisa. E assim por diante, todos os dias. Mantendo distancia de todas as inquietações e de todos os aborrecimentos naturais, protegendo-se do vento.
No começo, nos somos capazes de fazê-lo somente por alguns momentos. Mas, então o novo tipo de vida estará se propagando por todo o nosso ser, porque então estamos deixando Cristo trabalhar em nos no lugar certo. 
Trata-se da diferença entre a tinta, que esta simplesmente deitada sobre a superfície, e uma mancha que penetra na. Quando Cristo disse "sede perfeitos", quis dizer isso mesmo. 
Ele quis dizer que temos que entrar no tratamento completo. Pode ser duro para um ovo se transformar em um pássaro; seria uma visão deveras divertida, e muito mais difícil, tentar voar enquanto ainda se um ovo. Hoje nos somos como ovos. Mas, você não pode se contentar em ser um ovo comum, ainda que decente. 
Ou sua casca se rompe ou você apodrecerá."


 C.S Lewis - Cristianismo Puro e Simples