Postagens populares

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Hoje sou preenchida pelo amor

Hoje sou preenchida pelo amor...
Amor que me tomou da escuridão
Resgatou-me de um precipício
Deu-me sua mão.

Matou minha fome quando eu buscava satisfazer-me com as coisas terrenas.
Abriu os meus olhos e me fez ver a verdade.
Mostrou-me que sua palavra revela o melhor que Ele quer para mim:
A minha alma na eternidade.

Cristo tocou minha alma
Com a sua bondade e com sua mansidão.
Só o AMOR mesmo seria capaz de olhar para mim
Com olhos tão puros e misericordiosos
Quando na verdade eu merecia
Ser fulminada por conta do meu pecado imundo.

Mas Ele me abraçou
Curou minhas dores
Transformou minha mente.
Sim, Cristo é amor.
Oh, como sou feliz agora com Sua presença.


Seu amor encheu cada cantinho de mim,
Completou-me por inteiro,
Não há mais espaço.
Minha alma transborda pela alegria que me deu a Sua salvação.

Tu és o amor verdadeiro,
Pai perfeito que segura seus filhos com Sua mão poderosa.
És a minha fome, meu alimento, minha satisfação.
Olho para a terra e contemplo a Sua glória, tudo criaste tão perfeitamente.
Olho para o mundo e já não o desejo mais.
Levanto meus olhos para o céu e enxergo o meu lar.

Peço-te que me dê um coração grato para que eu saiba
Agradecer a Sua bondade em cada entardecer quando o sol se puser.
Peço-te apenas que me perdoe
Ajude-me e segure em minha mão
Pois o que eu desejo é estar guardada debaixo de Suas asas,
É o lugar mais seguro para mim.

Poema por: Patrícia Gomes

segunda-feira, 8 de maio de 2017

A elegância que vem de dentro

Hoje a maioria das pessoas que têm acesso à informação sabe que é peruíce usar uma blusa de paetês às duas da tarde e que é deselegante comparecer a um casamento sem gravata. Costanza Pascolato, Gloria Kalil e Claudia Matarazzo são alguns dos jornalistas especializados em ajudar os outros a não cometerem gafes na hora de se vestir ou de se portar à mesa. Mas existe uma coisa difícil de ser ensinada e que, talvez por isso, esteja cada vez mais rara: a elegância do comportamento.

É um dom que vai muito além do uso correto dos talheres e que abrange bem mais do que dizer um simples obrigado diante de uma gentileza. É a elegância que nos acompanha da primeira hora da manhã até a hora de dormir e que se manifesta nas situações mais prosaicas, quando não há festa alguma nem fotógrafos por perto. É uma elegância desobrigada.


É possível detectá-la nas pessoas que elogiam mais do que criticam. Nas pessoas que escutam mais do que falam. E quando falam, passam longe da fofoca, das pequenas maldades ampliadas no boca a boca.

É possível detectá-la nas pessoas que não usam um tom superior de voz ao se dirigir à empregadas domésticas, garçons ou frentistas. Nas pessoas que evitam assuntos constrangedores porque não sentem prazer em humilhar os outros. É possível detectá-la em pessoas pontuais.

Elegante é quem demonstra interesse por assuntos que desconhece, é quem dá um presente sem data de aniversário por perto, é quem cumpre o que promete e, ao receber uma ligação, não recomenda à secretária que pergunte antes quem está falando e só depois manda dizer se está ou não está.

Oferecer flores é sempre elegante. É elegante não ficar espaçoso demais. É elegante não mudar seu estilo apenas para se adaptar ao de outro. É muito elegante não falar de dinheiro em bate-papos informais. É elegante retribuir carinho e solidariedade.

Sobrenome, jóias e nariz empinado não substituem a elegância do gesto. Não há livro que ensine alguém a ter uma visão generosa do mundo, a estar nele de uma forma não arrogante. Pode-se tentar capturar esta delicadeza natural através da observação, mas tentar imitá-la é improdutivo.

A saída é desenvolver em si mesmo a arte de conviver, que independe de status social: é só pedir licencinha para o nosso lado brucutu, que acha que “com amigo não tem que ter estas frescuras”. Se os amigos não merecem uma certa cordialidade, os inimigos é que não irão um dia desfrutá-la. Educação enferruja por falta de uso. E, detalhe: não é frescura.

- Martha Medeiros

terça-feira, 2 de maio de 2017

Soberana vocação e missão

Gostaria de compartilhar uma Ministração (na realidade duas, por que uma é continuação da outra) que me edificou bastante, confesso até que preciso ainda assistir mais vezes para conseguir absorver tudo o que o Senhor nos propôs através do servo dele. Espero que esta Palavra fale ao seu coração.




Com fé,
Shirley Costa

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Deus não mudou a minha vida

“Entrem pela porta estreita porque a porta larga e o caminho fácil levam para o inferno, e há muitas pessoas que andam por esse caminho. A porta estreita e o caminho difícil levam para a vida, e poucas pessoas encontram esse caminho.” – Mateus 7:13,14

Ás vezes, entramos na igreja com um pensamento de quem entra num reality show: Se eu conseguir fazer tudo certo e gostarem de mim, a minha vida irá mudar. 
E com o passar do tempo você chega à conclusão de que as coisas não mudaram, pelo contrário, está piores do que antes. 

E você já ouviu centenas de pregações sobre “esperar no Senhor”, “confiar no Senhor”, “ansiedade” e tantas outras. E o tempo está passando, as noticias ruins estão chegando e você se dá conta que aquele pensamento a principio está totalmente equivocado, pois a sua vida não mudou. 

Considero também que existem muitos irmãos que adentram a igreja e todas as circunstancias mudam e eles são levados a outras experiências, particularmente creio que Deus tem diversas maneiras para moldar seus filhos, mas a Palavra dele é a mesma para todos e a mesma afirma que: “O Filho do homem veio salvar quem está perdido” (Mateus 18:11) e todos nós estamos nessa condição até encontrar a Cristo. Mas, hoje vamos retratar aqueles que vivem uma vida cristã sem mudanças circunstanciais. 

Deus me ama?
Então porque não casei até hoje?

Deus me ama?
Então porque ainda não converteu os meus pais?

Deus me ama?
Então porque não me livrou de todas as minhas enfermidades?

Começamos a questionar o amor do Senhor, começamos a colocar em dúvida nossa fé e obediência. 

Do que me adianta obedecer á Deus, se estou sofrendo mais do que aquele que está pintando e bordando no mundo?

Do que me adianta ajudar as pessoas, se no momento que mais preciso, não tenho a quem recorrer?

Do que me adianta professar a Cristo, se não vejo mudanças em minha própria vida?

É tantas e tantas indagações que seria impossível retratar todas. Mas, a pergunta mais importante de todas, não temos coragem de nos fazer:
Cristo veio para mudar as circunstancias ou ME MUDAR ATRAVÉS DAS CIRCUNSTANCIAS?

Muitas vezes o Senhor não nos muda de circunstancia, porque Ele tem o propósito de usar essa circunstancia para nos mudar. 
Deus não fica desesperado quando estamos em crise, enfermos, revoltados e amargurados, mas Ele fica extremamente triste quando nos vê presos no pecado. 

Ele permite todas essas coisas para nos dizer que por mais dificuldades e sofrimentos que podemos passar na jornada com Ele, nunca será comparado com a condenação de uma vida de prazeres que este mundo oferece – porque o prazer é passageiro, a condenação é eterna. 

Não podemos enxergar á Deus como uma “mega sena” que resolverá todas as minhas preocupações, mas sim como um Pai amoroso que nos dá e nos livra de aflições, pois seu propósito é nos fazer parecidos com Jesus. 

Deus pode não ter mudado as circunstâncias da sua vida, mas a cada dia Ele muda o seu jeito de ver a vida. Ele está te transformando de dentro pra fora. Ele está mexendo em sua mente, em seu coração, em suas vontades, em seus desejos, em seus traumas, em suas ansiedades, em suas decepções, em seus medos, em sua rebeldia. 

O Senhor não está interessado em que você seja conhecido porque ganhou um carro novo ou uma casa nova, mas que seja conhecido por amar, por perdoar, por ser humilde – simplesmente um discípulo, um servo e um filho muito amado. E mesmo que isso custe lágrimas, dor e desespero agora, futuramente serão cessados com uma alegria eterna – a alegria de ser transformado em alguém que Deus o criou para ser. 

"Jesus prometeu aos seus discípulos três coisas — que eles seriam completamente destemido, absurdamente feliz e em constante dificuldade."
- G. K. Chesterton

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Eu e minha ansiedade

“Não andeis ansiosos por coisa alguma.” - Filipenses 4:6a
Há alguns meses Deus me ensinou a entregar em suas mãos todas as minhas ansiedades, todos os meus medos e inquietações. Confesso que não foi fácil, nem tampouco adocicado, acho que você já pode imaginar o contrário disso. Foi um processo árduo, doloroso, amargo, se não fosse o amor de Deus que habitava em mim, eu não sei o que teria sido de mim naqueles dias.

Estava ansiosa e aquilo não poderia continuar, eram problemas difíceis em casa e no trabalho ameaçado pela crise no Brasil, as coisas estavam difíceis pra mim.
O que eu poderia fazer diante disso? O meu coração estava triste, meus olhos lacrimejavam, minha mente estava sendo tomada por preocupações, eu nunca havia passado por algo assim, mas havia chegado o tempo de minha fé e confiança em Deus aumentarem.
Eu me lembrava de Deus e sentia que Ele era comigo na necessidade de orar que e me desfazer em seus braços de amor, os quais me carregaram naqueles dias de tristeza, mas que foram de grande valia e edificação.

“Não andeis ansiosos por coisa alguma; antes em tudo sejam os vossos pedidos conhecidos diante de Deus pela oração e súplica com ações de graças; e a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos pensamentos em Cristo Jesus. Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai.”
- Filipenses 4:6-8

A minha mente precisava ser guardada em Cristo e o meu coração igualmente. Deus me ensinou que somente pela oração eu deveria andar ansiosa, eu deveria pensar em tudo o que fosse bom, reto e puro. Então me apeguei na palavra de Deus, confiei que todos os problemas seriam resolvidos com o tempo, Deus me ensinou a ser paciente, a não murmurar, mas somente orar e entregar a Ele minhas ansiedades e assim eu fui sendo moldada nessa área particular da minha vida cristã.
A palavra do Senhor mandou embora todos os meus medos.

“Mas, quando eu sentir medo, confiarei no Senhor.” 
- Salmos 56:3

A oração me trouxe paz, eu aprendi a confiar.

O amor de Deus é tão imenso que nos envolve em meio à dor, são nas tempestades, no mar revolto que somos testados e moldados. Vi as maravilhas que Deus faz quando deixamos de ter medo dessas coisas que são tão inúteis. Hoje o mar já se acalmou, Deus acalmou tudo, mas principalmente o meu coração. Eu sorrio e dou-lhe um cântico que Ele me pôs nos lábios naqueles dias. Um cântico de louvor,
Nele  minha alma canta feliz.

“Regozijar-me-ei muito no Senhor, a minha alma se alegra no meu Deus.”
- Isaias 61:10a

Texto por: Patrícia Gomes

terça-feira, 11 de abril de 2017

Parabéns aos orgulhosos

Gostaria de dar uma salva de palmas a todos àqueles que se sentem suficientes, infalíveis, politicamente corretos, que se amam acima de tudo e todos, que agem segundo suas próprias forças, que nunca admitem um erro, que fazem de tudo para estar sempre por cima, que se julga melhor do que os outros, e que vive como se fosse o padrão a ser seguido, com certeza vocês estão de parabéns e totalmente longe de serem o que Jesus nos ensinou... Sim, vamos aplaudir, afinal eu estou falando de mim e de você.


Tive orgulho suficiente ao resistir para escrever.
Espero que você não tenha tanto orgulho ao ponto de não ler.

“O orgulho leva a destruição, e a vaidade faz cair na desgraça.” 
- Provérbios 16:18

Uma das características mais marcantes de Cristo nos evangelhos é a humildade, e muitos transferem essa humildade em âmbito material, sim, Jesus não esbanjou riquezas, mas não por que era um corpo humilde, mas por que o seu espírito era (e permanece) humilde. A humildade e o orgulho são atitudes que começam em nosso coração, e infelizmente em nossos dias está sendo difícil encontrar cristãos humildes de espírito. Sabe por quê? Por que nos orgulhamos até mesmo de nossa teologia, não aceitamos que um irmão analfabeto receba uma revelação de Deus que nós não recebemos, afinal, nos sentimos tão instruídos e preparados, porque Deus iria usar um simples coitado, se eu sou melhor, eu obedeço, eu oferto, eu estudo e dou minha esmola?
Em nosso antropocentrismo disfarçado de teocentrismo criamos nossas próprias regras e estabelecemos um padrão, e se alguém se meter a ir contra ele, será lançado fora. Estamos tão cegos com nosso orgulho, que não vemos que em toda a Escritura Sagrada Deus retrata qual será o fim dos orgulhosos, mas antes disso, Ele nos convida a mudar nossa concepção:

O Senhor disse:
- O sábio não deve se orgulhar da sua sabedoria, nem o forte, da sua força, nem o rico, da sua riqueza. Se alguém quiser se orgulhar, que se orgulhe de me conhecer e de me entender; porque eu, o Senhor, sou Deus de amor e faço o que é justo e direito no mundo. Estas são as coisas que me agradam. Eu, o SENHOR, estou falando. 
- Jeremias 9:23,24

Tudo aquilo que temos quando nascemos até a morte, é presente de Deus. Olhe ao seu redor, repare nas cores e nos sabores, sinta o movimento do seu corpo e como uma esfera se move no universo durante 24hs e você não sente absolutamente nada. O que é dinheiro, popularidade e até mesmo razão diante de todas essas coisas? Se você realmente quer se orgulhar de algo, se orgulhe pelo poder do Senhor de ter separado terra e mar, pelo seu bom gosto em fazer um céu refletido de azul, pela sua incrível trilha sonora emitida pelo canto dos pássaros e por transformar seres como eu e você em filhos amados, perdoados, redimidos e da-los de presente a alegria eterna, paz eterna e gozo eterno que compõe a vida eterna.

Não tenho nada em mim para que possa me orgulhar, meu entendimento é raso, minha compreensão deficiente, minha razão imperfeita, meu amor é falho, minha fé é pequena, minha teimosia é insistente e minha língua tenta me dominar. Apenas há em mim, o criador de todas as coisas, a razão pelo qual busco viver e meu propósito de existir, nisso encontro motivos para gritar até mesmo ao surdo: Eu tenho orgulho daquilo que o Senhor fez por mim: Amou-me e me salvou de mim mesmo.

“Quem quiser se orgulhar, que se orgulhe daquilo que o Senhor faz. Pois a pessoa só é aprovada quando o Senhor a aprova e não quando é aprovada por si mesma.”
- II Coríntios 10:17,18